V Domingo da Quaresma "Deus ama seu povo".

Desde toda a eternidade o Senhor pensa em nós. Como Ele ama o Seu Povo!

Como nos ensina a 1ª Leitura deste Domingo, através dos Profetas, Deus nos transmite uma mensagem de salvação (Ezequiel 37,12-14).

Há dois mil anos veio Ele próprio à Terra para nos salvar. Pregou antes de tudo através do exemplo. Não há nada imperfeito na sua vida. Convida toda a humanidade a cumprir a Lei de Deus, os Mandamentos. Oferece as graças através dos Sacramentos. Aponta o caminho da felicidade: o caminho das bem-aventuranças. Faz milagres: dá vista aos cegos, faz ouvir os surdos, ensina os mudos a falar, cura os doentes, ressuscita os mortos.

O Evangelho deste Domingo (João 11,1-45) descreve com todos os pormenores a ressurreição de Lázaro. As suas irmãs, Marta e Maria, comunicam a Jesus o que aconteceu com Lázaro. Jesus, logo que pode, vai até Betânia. Ao ver o amigo Lázaro, morto, comove-se e chora.

Quando morre algum familiar ou algum amigo também nós choramos. É humano! Deixamos de falar com quem partiu. Ao vermos o seu lugar vazio sentimos saudade.

Jesus, seguidamente, reza: «Pai, dou-Te graças por Me teres escutado.». Que bela oração! Mesmo nos dias de sofrimento devemos aprender de Jesus a agradecer ao Senhor.

Só Deus tem poder sobre a morte. Nós já o sabemos. Sabemos porque temos Fé. Muitos não acreditam. Por isso Jesus mostra que é Deus, que tem poder de ressuscitar. Junto ao túmulo de Lázaro, brada com voz forte para que todos ouçam bem: «Lázaro, vem para fora».

Quem se sentiu mais feliz nessa ocasião? Lázaro que volta à vida, quatro dias após ter morrido, para de novo acolher o Senhor? Marta e Maria que o recebiam de novo na sua casa? Os discípulos de Jesus ao verem confirmada a Fé na Sua divindade? O próprio Jesus que iria morrer em breve para ressuscitar glorioso?

Nós, cristãos do século XXI, sentimo-nos muito felizes ao revivermos hoje a ressurreição de Lázaro.

Jesus há de ressuscitar-nos também um dia quando deixarmos este mundo. Depois será a felicidade eterna com Ele no Céu.

Mas até lá temos de aprender a cumprir a sua vontade. O pecado não pode ser praticado por nós, como nos ensina São Paulo na 2.ª Leitura (Romanos 8,8-11). Amando as pessoas que o cometem, devemos sempre denunciar as injustiças, os crimes, os atentados, a guerra, o homicídio, o suicídio, o aborto, a eutanásia.

Denunciamos e procuramos afastar o mal do mundo. Não queremos que as gerações futuras nos acusem de nada termos feito para tornar o mundo melhor. Procuremos apresentar os valores que dão sentido à vida.

Quando surgirem noites de insônia, céu sem estrelas, escuridão à nossa frente não desanimemos, pois com os anjos, os santos e a Virgem Maria viveremos felizes com o Senhor para sempre.



Cadastre-se e receba as Principais Notícias da Diocese no seu Email