Papa: mundo digital deve ser habitado por cristãos com formação adequada

Foto:A experiência das missas on-line durante o lockdown conduz o manual escrito por Fabio Bolzetta 

Francisco escreve prefácio do livro "A Igreja no mundo digital", de Fabio Bolzetta, presidente da Associação Italiana de Webmasters Católicos (WeCa), e fala sobre a importância de uma formação adequada para se trabalhar com mídias digitais dentro da Igreja, também devido "os riscos envolvidos no uso dessas ferramentas. Há muito a ser feito para aprender a ouvir; e para envolver e formar os jovens, nativos digitais, que sejam capazes de revitalizar os sites das paróquias".

Andressa Collet - Vatican News

Como viver "A Igreja no mundo digital" (tradução livre de "La Chiesa nel digitale")? Quem apresenta ferramentas e propostas para desmistificar esse caminho é Fabio Bolzetta, editor e presidente da Associação Italiana de Webmasters Católicos (WeCa), em um livro produzido pela Editora Tau e com o encorajamento do Papa Francisco que escreveu o prefácio da obra - o primeiro guia prático para os católicos dentro da web.

A obra em italiano, destinada a párocos, sacerdotes, religiosos, seminaristas e leigos que trabalham no setor da comunicação, direciona o leitor novamente ao período crucial da pandemia de Covid-19, como bem lembra o Pontífice no início do prefácio, um período que "nos fez perceber quão úteis podem ser as ferramentas tecnológicas e as redes sociais. Vimos isso durante os períodos de lockdown, quando já não era mais possível se encontrar, celebrar juntos a Eucaristia, estar perto dos nossos entes queridos doentes, se unir em oração ao lado de um parente ou amigo que nos deixou".

O Papa, então, faz menção no prefácio aos sacerdotes que, "com criatividade", "fizeram bom uso das tecnologias e das redes sociais" para manter o contato dos fiéis com a Palavra de Deus ao oferecer a possibilidade de assistir à missa ou mesmo envolvê-los em ações de caridade. Também existiram "erros e excessos", comenta Francisco, "mas quando essas tentativas se concentraram na mensagem a ser comunicada, e não no protagonismo do comunicador, devemos reconhecer que foram úteis".

Uma "fase certamente excepcional" essa de dois anos, afirma o Pontífice no texto, "especialmente com relação à experiência da transmissão on-line das celebrações":

“O encontro virtual não substitui e jamais poderá substituir aquele em presença. Estarmos fisicamente presentes ao partir o pão eucarístico e o pão da caridade, o olhar nos olhos um do outro, o abraçar-se, o estar um ao lado do outro ao servir Jesus nos pobres, apertando a mão dos doentes, são experiências que pertencem à nossa experiência diária e nenhuma tecnologia ou rede social jamais poderá substituí-las.”

Mídias digitais: a importância da formação

Uma experiência, então, de constante crescimento que agora precisa ser "acompanhada por uma nova consciência", alerta o Papa. Através da seleção de vídeos da Associação Weca dedicados aos sacerdotes e produzidos nos últimos dois anos de emergência sanitária, recorda o Pontífice, o livro procura oferecer um acompanhamento adequado de formação:

"Há realmente muito para se fazer, para crescer juntos na consciência da importância, mas também dos riscos envolvidos no uso dessas ferramentas. Há muito a ser feito para aprender a ouvir; e para envolver e formar os jovens, nativos digitais, que sejam capazes de revitalizar os sites das paróquias. A web e as redes sociais podem ser habitadas por quem testemunha a beleza da fé cristã, por quem propõe histórias de fé e vivida pela caridade, por quem comunica com a linguagem de hoje a extraordinária novidade do Evangelho, e por quem escuta como os apóstolos e os discípulos aprenderam a fazer com Jesus."

A contribuição deste livro, assim termina o prefácio do Papa, é valiosa para fazer crescer a consciência sobretudo dos mais jovens sobre o melhor uso do espaço virtual que não deve substituir, mas ajudar "as nossas relações sociais em carne e osso":

"Sabemos, porque experimentamos isso, que somente um encontro pessoal, não anônimo, com Jesus, muda a vida. Nós sabemos, porque essa é nossa experiência cotidiana, que o amor deve ser cultivado com encontros, com uma escuta e com uma convivência diária. Sabemos que o virtual nunca poderá substituir a beleza dos encontros feitos pessoalmente. Mas o mundo digital é habitado e deve ser habitado por cristãos."

“Porque até a web, um território onde às vezes a voz que fala mais alto e a poluição das fake news parecem prevalecer, pode se tornar um espaço de encontro e escuta.”

Apresentação do livro

O livro "A Igreja no mundo digital: ferramentas e propostas" foi apresentado na manhã desta segunda-feira (20) na Sala Marconi do Palazzo Pio, sede das redações da Rádio Vaticano/Vatican News, em Roma, com transmissão ao vivo via streaming. O encontro contou com a participação do próprio autor, Fabio Bolzetta; Paolo Ruffini, prefeito do Dicastério para a Comunicação; Irmã Alessandra Smerilli, secretária do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral; Padre Paolo Padrini, pároco da diocese de Tortona (Al) e autor do aplicativo "iBreviary"; além de Vincenzo Corrado, diretor do Departamento Nacional de Comunicação Social da Conferência Episcopal Italiana, a CEI.

A obra nasceu da experiência de 150 vídeos tutoriais da Associação Italiana de Webmasters Católicos e oferece um caminho em quatro etapas para refletir, descobrir, compartilhar em redes sociais e publicar na web a experiência de uma Igreja que também está presente no mundo digital. O livro apresenta respostas práticas de como criar um site para a paróquia e de como utilizar as mídias sociais para o trabalho pastoral. A própria capa do livro é "interativa" por apresentar um QR Code que acompanha e enriquece a leitura com contribuições multimídia constantemente atualizadas.

Fonte: Vatican News



Cadastre-se e receba as Principais Notícias da Diocese no seu Email