"Os Últimos 20": as ideias dos jovens e dos países pobres para o futuro do mundo

Foto: Em Abruzzo "Os Últimos 20" 

Teve início na última sexta-feira, dia 17 de setembro em L'Aquila, centro Itália, a etapa de Abruzzo e Molise do "The Last 20", (Os Últimos 20) a cúpula da juventude com representantes dos 20 países mais pobres do planeta: do Afeganistão ao Iêmen, organizada por associações, ONGs e movimentos sociais em cooperação com dioceses e instituições locais. Encerramento do Evento neste 21 de setembro com uma Marcha pela Paz liderada pelo arcebispo de Campobasso, dom Bregantini.

Alessandro Di Bussolo, Silvonei José – Vatican News

O objetivo final é submeter à cúpula do G20, os países mais ricos e poderosos do mundo, que será realizada em Roma de 30 a 31 de outubro, um documento sobre o futuro do planeta, visto através dos olhos dos "últimos", os “Últimos 20”. Estes são os países mais pobres, do Afeganistão ao Iêmen, segundo dados das Nações Unidas, em termos de renda per capita, qualidade de vida, condições sociais e de saúde, empobrecidos pela exploração colonial, guerras e conflitos étnicos, e catástrofes climáticas. Uma cúpula "de baixo" que vê os jovens das regiões "periféricas" italianas, como Calábria, Molise, Abruzzo e Puglia, como protagonistas, trazendo suas vozes e as dos representantes de 20 países e também de Roma e Milão. Foi organizado por associações, ONGs e movimentos sociais, em cooperação com a Conferência Episcopal Italiana, dioceses e instituições locais.

Depois de Reggio Calabria e Roma, jornadas em Abruzzo e Molise

Após as etapas de Reggio Calabria, de 22 a 25 de julho, e Roma, de 10 a 12 de setembro, de 17 a 20 de setembro “Os últimos 20” estão em Abruzzo e Molise, e o foco é o diálogo intercultural e inter-religioso e a nova economia para uma ecologia integral. Nos trabalhos realizados na Universidade de L'Aquila, também participou o subsecretário do Pontifício Conselho de Cultura, monsenhor Melchor Sanchez de Toca. O debate foi sobre o direito à educação e à saúde para criar pontes de cultura, e depois, amizade social para um cuidado comum dos bens da Terra.

"The Last 20", (Os Últimos 20)

"The Last 20", (Os Últimos 20)

O programa num relance, de L'Aquila a Castelpetroso

No sábado 18 os trabalhos se dirigiram para a cidade de Sulmona para falar da inclusão social através da tecnologia e da economia circular, enquanto no domingo 19, de manhã houve um encontro em Agnone e à tarde em Castel del Giudice, Molise, onde o arcebispo de Campobasso-Boiano, dom Giancarlo Bregantini, esteve entre os protagonistas. Nesta segunda-feira 20 de setembro será o último dia de trabalho na Piana dei Mulini, no vale do Biferno, com mesas redondas sobre corredores humanitários e a integração de migrantes em cidades italianas, e sobre economia ecológica e justiça social.

Finalmente, nesta terça-feira de manhã, a Marcha da Paz será realizada em Castelpetroso, novamente guiada pelo arcebispo Bregantini, que é um dos promotores da etapa juntamente com a Conferência Episcopal de Abruzzo e Molise.

As vozes do Afeganistão na Itália

O Afeganistão está representado por Idrees Jamali, vice-presidente da Associação de Afegãos na Itália, mas há também a participação de alguns jovens refugiados que chegaram recentemente à Itália. Da República Centro-Africana há o testemunho da missionária Elvira Tutolo, que trabalha há anos na defesa dos menores. Os outros "últimos 20" países são Burkina Faso, Burundi, Chade, República Democrática do Congo, Eritréia, Etiópia, Gâmbia, Guiné Bissau, Líbano, Libéria, Malawi, Mali, Moçambique, Níger, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul e Iêmen. Dezessete estão na África, três na Ásia.

"The Last 20", (Os Últimos 20)

"The Last 20", (Os Últimos 20)

Última parada em Santa Maria di Leuca, de 2 a 3 de outubro

De Molise, o encontro se transfere para Milão de 22 a 26 de setembro, sobre os temas do direito à saúde, o impacto da mudança climática e a resiliência. A cúpula itinerante terminará em Santa Maria di Leuca, sul do país, nos dias 2 e 3 de outubro com a elaboração de um documento a ser apresentado em fóruns internacionais e no G20 em Roma.

O que é "Últimos 20"

"Um evento - explica Ira Frontén, a protagonista feminina de "Tolo tolo", o filme sobre migração da África para a Itália de Checco Zalone, em um pequeno vídeo preparado pelos organizadores - que propõe um reequilíbrio em todo o mundo para superar as crescentes desigualdades atuais. Um reequilíbrio entre a sociedade humana e o patrimônio natural herdado, entre economia real e finanças, a fim de não sobrecarregar as novas gerações com dívidas financeiras e ecológicas".

Angelaccio (Itria): vamos dar voz aos "últimos" do planeta

"Os Últimos 20” convidam a todos a mudar o olhar, a ouvir as pessoas que vivem em seu país de origem ou naquele onde chegam, e a parar de falar em seu nome", enfatiza Dino Angelaccio, presidente da Itria (Rotas de Turismo Religioso Intercultural Acessível), que é um dos promotores da iniciativa. "Juntos é possível, especialmente envolvendo as novas gerações, construir um futuro diferente. O logotipo que projetamos para The Last 20, projetado por Annarita Pisano, contém o mapa de Peters, que coloca o Equador no centro do mundo, cortando assim o planeta em duas partes iguais".  Angelaccio lembra que sempre estivemos acostumados "a um mapa geográfico, o de Mercator, que privilegia certos países em termos de centralidade e tamanho em detrimento de outros, e não é por acaso que os mesmos países "ampliados" empreenderam processos de conquista e exploração em detrimento daqueles que parecem encolhidos e isolados".

Fonte: Vatican News



Cadastre-se e receba as Principais Notícias da Diocese no seu Email