Carlo Acutis viveu a doença com esperança por seu vínculo com a Eucaristia

ASSIS, 13 out. 20 / 02:30 pm (ACI).- Como o Beato Carlo Acutis viveu sua breve doença, tendo falecido em 2006 apenas 3 dias depois de ser diagnosticado com leucemia quando tinha 15 anos, e como transformou esse sofrimento em uma fonte de luz e esperança? Essa é a pergunta que propuseram durante um encontro realizado em Assis nesta terça-feira, 13 de outubro, por ocasião da beatificação do jovem italiano no último sábado, 10 de outubro.

No encontro, organizado pela Diocese de Assis-Nocera Umbria-Gualdo Tadino, o Bispo local, Dom Domenico Sorrentino, estabeleceu um paralelo entre São Francisco de Assis e Carlo, ma doença e no modo como a enfermidade e a morte não deve gerar medo, mas convidar à proximidade de Deus, à Eucaristia.

Recordou como, na doença, São Francisco elevou o cântico das criaturas, e a atitude de Carlo diante de sua enfermidade foi semelhante, foi uma atitude de alegria e de comunhão com Deus e o próximo.

Por sua vez, Pe. Massimo Angelelli, diretor nacional do Escritório de Pastoral da Saúde, ofereceu uma série de reflexões que lhe sugeriram a experiência de fé de Carlo e sua breve experiência de doença.

 

Explicou que o sofrimento faz parte da vida e, como tal, “pode propiciar um encontro eucarístico. O sofrimento em si não é buscado, não se contempla. Só podemos dar um valor em si ao sofrimento. O sofrimento é uma dimensão da vida, uma dimensão natural, como a morte”.

Desse modo, “com nossas decisões, podemos ler o sofrimento com uma leitura de esperança, ou com uma leitura de recusa”. “Carlo viveu a experiência da doença e da morte como fez porque toda sua experiência teve um forte vínculo com a Eucaristia”.

Nesse sentido, exemplos como o de Carlo Acutis dão uma dimensão cristã ao sofrimento, na qual Jesus está presente: “Quando Jesus diz 'não os deixarei só', quer dizer precisamente isso, 'estarei convosco todos os dias até o fim do mundo', e não é apenas uma promessa espiritual, é real, é viva, vivificante, está presente na Eucaristia, e por isso Carlo estava fortemente unido à Eucaristia, porque sabia que na Eucaristia está verdadeiramente Jesus”.

Também assinalou que, “quando Jesus diz ‘amai uns aos outros como eu os amei’, é um mandato fortemente eucarístico”. De fato, “a Eucaristia é o mistério central de nossa fé”. “A Eucaristia transforma a dor em tempo de esperança e em prova de amor”.

Por isso, “todos os que sofrem sabem que Deus experimentou essas trevas, porque as experimentou em Jesus”. “Toda dor pode ser transformada em alegria. É possível. Não é obrigatório, mas sabemos que em qualquer caso essa dor pode ser transformada em alegria”.

Por outro lado, perguntou-se: “Como se faz para transformar o sofrimento em luz? Tenho visto tanto sofrimento escuro, tanto sofrimento que buscava a luz, pessoas que sofreram enormes dramas, como a perda de um filho. E perder um filho aos 15 ou 16 anos é um sofrimento enorme. Isso é possível quando continuamos toda a nossa vida na presença de Deus”.

“Jesus transformou a vida de Carlo porque Carlo lhe deu permissão, em uma dimensão em que dia a dia se conheceram, se frequentaram, se encontraram”, sublinhou.

Publicado originalmente em ACI Prensa. Traduzido e adaptado por Natalia Zimbrão.

Foto: Familia Acutis



Cadastre-se e receba as Principais Notícias da Diocese no seu Email